· 

Gerir as ansiedades deste Regresso à Escola

Por Care For The Family -UK

A pandemia global que nos atingiu nos últimos meses teve uma influência enorme numa série de coisas, e o futuro da escola tornou-se tão incerto quanto o resto da vida. Mas esta semana, a maioria das crianças estará a voltar em massa para as suas salas de aula, e haverá uma vasta gama de emoções que surgirão como resultado disso. É normal que as crianças tenham dificuldade em voltar à escola - então acrescente a isso os desafios do mundo em que vivemos e estamos perante uma tempestade perfeita.

Como pais, muitos de nós teremos dificuldade em controlar os nossos próprios sentimentos e talvez não nos sintamos devidamente equipados para ajudar os nossos filhos. Então, se for essa a sua situação, aqui estão alguns princípios que podem ajudar:

 

1. Esteja preparado

Tente refletir sobre quais podem ser as preocupações deles e com que coisas eles podem estar preocupados, para que não seja apanhado de surpresa. Algumas crianças terão familiares vulneráveis com os quais se preocupam, e outras podem sentir que não serão capazes de acompanhar a carga de trabalho que aí vem. Antecipar essas preocupações significa que podemos preparar-nos para apoiar os nossos filhos quando eles nos expressarem as suas preocupações.

 

2. Escolha um bom momento para conversar com eles

Tente fazer perguntas abertas e gentis num contexto sem a pressão do dia-a-dia - enquanto joga um jogo, se está a sair para uma caminhada ou talvez na hora das refeições.

 

3. Ouça

Reserve um tempo para ouvir quais são realmente as preocupações deles. Uma mãe percebeu que o seu filho estava a ficar ansioso por voltar à escola e descobriu que era porque ele estava preocupado ser contagiado com o vírus pelos seus amigos. Ela foi capaz de o lembrar de que a escola tinha estabelecido várias medidas de segurança e que, se ele continuasse a lavar as mãos, ele faria tudo o que pudesse para ficar bem.

 

4. Empatia

Tente ‘ouvir’ os seus sentimentos. Mesmo que pensemos que eles estão a preocupar-se com algo insignificante, reconhecer como eles se sentem vai fazer com que se sintam melhor do que um desdenhoso "Não te preocupes”. Tente dizer algo como "Eu sei que é difícil" - isso os fará sentirem-se valorizados e compreendidos. Tranquilizá-los dizendo-lhes que estar ansioso ou preocupado é uma resposta normal a uma situação anormal permite que saibam que não estão sozinhos em como se sentem.

 

5. Seja solidário

Estes são tempos desafiadores para nós, pais e também para nossos filhos. É difícil, mas, na medida do possível, não vamos passar o nosso próprio stress para os nossos filhos. Eles “absorvem” as nossas emoções. Lembre-os das coisas boas de voltar à escola - eles podem ver os seus professores e amigos e podem continuar a aprender coisas novas. Nossa atitude pode fazer uma grande diferença em como eles se sentem. Embora muitas vezes pensemos que eles não estão nos estão a ouvir, na realidade eles não perdem nada.

 

6. Fique em contato com a escola

Descubra como eles estão a lidar com os desafios. É para usar máscaras ou outras roupas de proteção? Como vão organizar a sala de aula? Quais são os preparativos para a hora do almoço? Que outras coisas serão diferentes? Se descobrirmos essas coisas primeiro, podemos eliminar a surpresa e ajudar os nossos filhos a lidar com a situação. Não se trata de bombardear as suas linhas de telefone, mas certifique-se de verificar informações atualizadas regularmente através do site da escola, feeds do Twitter/Facebook e quaisquer outros canais que eles fornecem.

 

7. Mantenha as rotinas consistentes

Manter, tanto quanto possível, a regularidade das rotinas familiares - refeições, trabalhos de casa e diversão ajudará a dar uma estrutura e uma estabilidade ao seu dia. Onde as rotinas falharam, pode ser útil introduzir pequenas mudanças na semana antes da escola - horários de dormir e acordar 15 minutos mais cedo do que o normal, por exemplo.

 

8. Controle a ansiedade

Se o seu filho está a sentir-se ansioso, a enfermeira de saúde mental Emma Selby recomenda reservar um momento para sondar o seu filho. Uma maneira prática de fazer isso é criar uma caixa de preocupação (como pais, podemos sentir que queremos uma também!)

Decore uma caixa de sapatos e faça uma fenda na parte superior. Incentive o seu filho a escrever ou a desenhar sua preocupação, falar sobre isso e, em seguida, colocá-la na caixa das preocupações - longe da vista e da mente.

 

9. Lidar com comportamentos difíceis no regresso às aulas

A escola provavelmente será muito diferente de como era em março deste ano, com os sentidos marcados no chão, uso de máscaras e sem partilhas de materiais. Isso pode fazer com que o seu filho se sinta perturbado e resultar num comportamento temporário de mau humor, choro e / ou argumentação em casa. Ofereça-se para conversar com o seu filho sobre o que o está incomodar ou façam uns exercícios de respiração juntos - uma grande inspiração e depois expiração para exalar a tensão e o stress. (Isso pode ajudá-lo também!)

 

10. Reconectando-se socialmente

 Habilidades sociais são como um músculo - elas irão crescer ou diminuir com base na frequência de uso.  As crianças que não participam de grandes grupos sociais desde março provavelmente sentirão alguma ansiedade - verbalizando-a ou não - sobre se reconectar com os grupos de colegas na escola.  Crianças extrovertidas podem ficar tão animadas por estar de volta que sobrecarregam os outros com seu entusiasmo, enquanto crianças tímidas e introvertidas podem entrar em pânico e sentir falta do espaço seguro do ambiente doméstico.  Tente reservar algum tempo antes do início da escola para conversar sobre isso com o seu filho, preparando-o para os cenários sociais mais prováveis que pode encontrar e encorajando-o a fazer novos amigos, mesmo que esteja a começar numa nova escola.

 

 

Embora possamos tentar encontrar maneiras positivas de ajudar os nossos filhos a expressar os seus sentimentos, um abraço, um carinho, uma oração, pode ser tudo o que é necessário para os tranquilizar. Seja qual for a sua situação escolar e quaisquer que sejam as suas preocupações, quando olharem para trás e para esta época no futuro, o que mais importa é que sabiam que estávamos lá para eles.

 

Enquanto FamilyLife acrescentamos um ponto a este artigo que faz a diferença nas nossas famílias:

 

11.Orem juntos

Se são pessoas de fé, orem juntos. Lembre-se que podemos colocar diante de Deus as nossas preocupações e que esse momento juntos pode encher-vos da paz que precisam, que vai além das circunstâncias que estão a viver. Que momento poderoso a ser partilhado com os nossos filhos!

 

'Não se preocupem com nada, mas em todas as orações peçam a Deus o que vocês precisam e orem sempre com o coração agradecido. E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a vossa mente, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus.'  Filipenses 4:6-7 

 

'Confiem-lhe todos os vossos problemas, porque ele se preocupa convosco. ' 1 PEDRO 5:7

 

'«É por isso que eu vos digo: Não andem preocupados com o que hão de comer ou beber, nem com a roupa de que precisam para vestir. Não será que a vida vale mais do que a comida e o corpo mais do que a roupa? (...)MATEUS 6:25-34

 


De Care For The Family - Artigo Original aqui (em inglês)

Write a comment

Comments: 0

 

 

CONTACTOS

NACIONAL e LISBOA - Júnia Barbosa - 914702199 - info@familylife.pt

PORTO - Miriam Pego - 936114343 - porto@familylie.pt